URBANÓTICOS: O DESESPERO SUBIU NO TELHADO

Graças à pandemia, perdeu o emprego - tem mulher, filho pequeno, filha de colo e sogra sem pensão pra sustentar.
Três meses sem trampo, as últimas reservinhas de grana se foram: comprou macarrão, um punhado de carne moída, duas caixas de ovos e um pacote de arroz.
O desespero subiu no telhado mas conseguiu dormir melhor após urdir um plano de emergência, caso não consiga arranjar algum bico para descolar um troco.
Decidiu que vai matar e congelar todos os bem-te-vis e as sabiás rechonchudas que cantam pelo bairro para fazer um estoque de rango.
Ainda tem meia caixa de chumbinhos diabolo que são tiro e queda e, para encher o freezer, calculou que de cada três tiros só pode errar um.