DIÁRIO DA PANDEMIA: UM PIÁ DO DJANHO

O nome do piá era Arlindo, vulgo Sabugo, porque ele curtia comer espiga de milho fervido, besuntada de sal e manteiga, no armazém do japonês.

Ninguém era tão craque no jogo de Bets como o Sabugo. Não tinha bola que ele não rebatesse e não tinha casinha que ficasse em pé quando ele arremessava a bola. Depois do Sabugo era o Turquinho, e ambos formavam uma dupla imbatível.

Domingo de sol, a piazada toda foi lá no Cruzeirinho ver a partida final do campeonato de Bets: Sabugo e Turquinho x Lilo e Vespa.

O juiz era um tal de Chegado que tinha fama de ser traíra. O cara já chegou detonando o parachoque do fuque na hora de estacionar - tinha vindo de um churrasco e tava cozido de cerva.

Não deu outra. Lá pelas tantas o Chegado começou a roubar.

Certa altura, numa cruzada de bets do Sabugo com o Turquinho, o Chegado anulou o lance alegando que os bets não haviam se tocado.

Foi a gota d'água e o pau quebrou feio.

Pra começar, o Sabugo acertou uma betada no Chegado. A paulada foi tão forte que arrancou um pedaço da orelha do infeliz.

Depois o Sabugo pegou o Lilo, o irmão do Lilo, o Vespa e mais uma meia dúzia que se meteu no rolo. E dê-lhe sapecar betada em todo mundo. O piá endoidou. Voadora, pontapé, soco, cabeçada e mordida feito cachorro louco em todo mundo.

Até que os meganha chegaram.

Mas quando os homens foram colocar o Sabugo no camburão quem disse?

O piá deu um come por entre as pernas dos dois policiais e em seguida deu um pique a mil, pulou um baita muro e subiu lá em cima do telhado da casa.

Daí, lá do alto do telhado, o piá arrancou o bilau pra fora e mandou ver o guaraná quente, e isso ainda fazendo malcriação com os dedos da outra mão para os policiais.

Depois disso o Sabugo deu sumiço total.

Quarenta anos se passaram desde o dia em que o pau quebrou lá naquele jogo de Bets no Cruzeirinho e nunca mais ninguém viu o piá.

Domingo de sol, toca a campainha na minha casa e eu pedi para a nossa diarista, a Ester, atender.

Quando a Ester voltou ela falou o seguinte: "Olha, tem um senhor aí de cavanhaque que disse que é um amigo teu muito rico que veio da Europa pra te visitar. Ele tá com uma sacola cheia de presentes. Disse que o nome dele é Sabugo. Sabugo dos betes ou alguma coisa assim. Mando entrar?"