FERRAMENTAS DO DIABO OU: SOBRE A ARTE DE EXORCIZAR DEMÔNIOS

Há demônios e demônios e o grau de periculosidade dessas víboras depende basicamente de duas coisas: da intensidade da astúcia inerente a cada uma delas e das ferramentas que lançam mão para detonar suas vítimas.

Entre as ferramentas utilizadas por essa corja, uma das mais sofisticadas e poderosas para arrancar o couro alheio é esta: fazer o que é bom parecer ruim, e o que é ruir parecer bom, artifício que torna os demônios que a manuseiam uma espécie à parte no mundo das maldades.

Sutil, não é mesmo ? Pois é, daí o perigo...

Quanto ao exorcismo dessa espécie de chifrudos, trata-se de prática que requer uma certa especialização, digamos assim.

Via de regra, esses troços são pseudos intelectuais recalcados, cujas teses e maneira de ser não resistem a contra-argumentações consistentes.

Então a água benta que funciona aqui é precisamente esta: desmascarar as teses desses trapaceiros a céu aberto, com lógica e fundamentação, sem dó nem piedade.